Manifestantes fazem protesto em frente à casa de Alexandre de Moraes

Moraes

Um grupo de manifestantes fez um protesto neste sábado (2), em frente ao prédio onde o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes mora em São Paulo.

A manifestação é uma reação contra o magistrado por suspender a nomeação do novo diretor da Polícia Federal que tinha sido definida pelo presidente Jair Bolsonaro.

Com uso de um megafone, manifestantes atacram Moraes e pediam para que ele descesse até a rua. O ministro foi chamado de “comunista que não gosta de polícia” e que estava “com medo do Ramagem”.

Duas pessoas acabaram detidas pela Polícia Civil de São Paulo e que podem ser alvos processo por ameaça, calúnia, injúria e difamação.

As agressões e ameaças contra o ministro do STF têm origem em sua decisão tomada na quarta-feira, 29. Poucas horas antes da cerimônia de posse do novo diretor-geral da PF, Alexandre Ramagem, amigo da família Bolsonaro escolhido para ocupar o posto, Alexandre de Moraes suspendeu a nomeação. A decisão liminar atendeu a um pedido apresentado pelo PDT após o governo baixar decreto confirmando a indicação.

Relacionados:  Lula pede que STF julgue HC "o mais breve possível"

De acordo com Moraes, as declarações anteriores dadas pelo ex-ministro Sergio Moro sobre a tentativa de interferências na autonomia da corporação, além da divulgação de mensagens trocadas com o ex-ministro e a abertura do inquérito no próprio Supremo para investigar as acusações, motivaram a necessidade de impedir a posse de Ramagem, mesmo que seja garantido por lei que a indicação do diretor da PF é de competência exclusiva do Presidente da República.

Com informações do Terra.