Marighela: Filme que diz lutar contra o estado usou verba estatal

O filme que conta a história do terrorista Marighella, dirigido por Wagner Moura, foi vendido pelo próprio diretor como uma “resistência” ao atual governo.

Mas, conhecendo bem a classe artística brasileira, fica claro que não é sempre bem assim, e o próprio moura confirmou que o filme utilizou-se de fundo setorial, ou seja, verba estatal.

Segundo a própria Ancine, “O Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) é um fundo destinado ao desenvolvimento articulado de toda a cadeia produtiva da atividade audiovisual no Brasil. Criado pela Lei nº 11.437, de 28 de dezembro de 2006, e regulamentado pelo Decreto nº 6.299, de 12 de dezembro de 2007, o FSA é uma categoria de programação específica do Fundo Nacional de Cultura (FNC)”.

Relacionados:  Sem receber prêmio nenhum em Berlim, Wagner Moura desabafa: "Nosso filme é maior que Bolsonaro"

Ou seja, lutar contra o estado usando dinheiro do estado não é uma atitude das mais coerentes, ainda mais captando R$ 10 milhões.

Informação do Cinerama Clube.