Greta Thunberg critica vídeo de reunião ministerial de Bolsonaro

Greta

A ativista ‘ecológica’ sueca Greta Thunberg criticou o ministro do Meio Ambiente do Brasil, Ricardo Salles, por ele defender que o governo aproveite que o foco das atenções está na pandemia de covid-19 para modernizar leis ambientais.

“Apenas imagine as coisas que foram ditas longe da câmera… Nosso futuro em comum é apenas um jogo para eles”, escreveu Thunberg no Twitter, citando a declaração do ministro e a hashtag #SalvemAAmazônia.

Em reunião cujo vídeo foi divulgado nesta sexta-feira (22) pelo ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), Salles defendeu que a atenção dada pela imprensa à pandemia de coronavírus abre uma “oportunidade” para desregulamentar normas ambientais e em outras áreas, destaca o Portal Terra.

Relacionados:  Bolsonaro manda Polícia Federal investigar manchas misteriosas de óleo no litoral do Nordeste

“Precisa ter um esforço nosso aqui enquanto estamos nesse momento de tranquilidade no aspecto de cobertura de imprensa, porque só fala de Covid, e ir passando a boiada e mudando todo o regramento e simplificando normas. De Iphan [Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional], de Ministério da Agricultura, de Ministério de Meio Ambiente, de ministério disso, de ministério daquilo. Agora é hora de unir esforços pra dar de baciada a simplificação”, disse.

Depois da divulgação do vídeo, o ministro se manifestou no Twitter e declarou que sempre defendeu a desburocratização e simplificação de normas, “com bom senso e tudo dentro da lei”. “O emaranhado de regras irracionais atrapalha investimentos, a geração de empregos e, portanto, o desenvolvimento sustentável no Brasil”, acrescentou.

Relacionados:  “Não adianta falar mal do Jair Bolsonaro, ele é o presidente de todo mundo”, diz Adriane Galisteu

Thunberg, 17 anos, já havia criticado o assassinato de indígenas no Brasil em 2019 e sido chamada de “pirralha” pelo presidente Jair Bolsonaro. A sueca lidera um movimento global de estudantes que promove greves semanais às sextas-feiras para cobrar ações contra o que chamam de crise climática.