PT e Collor “ninguém solta a mão de ninguém”

Quem viveu o início dos anos 90 lembra de toda a pressão e do papel exercido pelo PT na queda do então presidente Fernando Collor. Conforme a história mostrou, o PT se julgava tão responsável pela queda de Collor que achou muito injusto que Fernando Henrique Cardoso viesse a ser sucessor de Itamar Franco (vice de Collor), e não alguém do Partido dos Trabalhadores.

Muitos anos e muitos presidentes vierem desde então. O PT conseguiu assumir o cargo máximo do Executivo por quatro vezes, com dois nomes, Lula e Dilma. O primeiro, como todo mundo sabe acabou por receber a segunda condenação ontem, e já soma mais de 25 anos de pena, e a segunda, segue pelo mesmo caminho. Mais do que isso, aquele que em 2001 viria a ser petista, Lindbergh Farias, uma das principais peças ‘populares’ da derrubada de Collor, também foi condenado e perdeu os direitos políticos por quatro anos. Não sem antes apertar a mão de Collor.

Relacionados:  Complica situação de Gleisi e Lindbergh no Senado após declaração de apologia ao crime

O fato é que a união entre Collor e petistas, desde então, continua acontecendo. A mais recente notícia se deu após o PT e o PROS formalizarem a criação de um bloco no Senado.

Relacionados:  Réu na Lava Jato, Collor ataca pacote anticrime de Sergio Moro

O PROS, inclusive, já havia sido o único partido que se dispôs a fazer coligação com a chapa PT/PCdoB de Fernando Haddad e Manuela D’Ávila. Não precisa nem ser dito que Collor faz parte do PROS.

Com informações do Extra e dO Antagonista.