Para prender Richa, juiz de Curitiba enfrentou decisão de Gilmar Mendes

O juiz Paulo Sergio Ribeiro, da 23ª Vara Federal de Curitiba, precisou enfrentar uma decisão do ministro Gilmar Mendes para poder prender o ex-governador Beto Richa.

Beto Richa já havia sido preso em setembro de 2018, mas foi solto por um habeas corpos de Gilmar Mendes.

Acontece que esse habeas corpus servia como ‘salvo-conduto’ para prisões preventivas operadas com base em “risco à ordem pública e econômica”. O juiz Ribeiro, então, justificou a prisão com a necessidade da ação com o fundamento de “conveniência da instrução criminal”, visto que os acusados estariam trabalhando com o objetivo de coagir testemunhas do caso.

Relacionados:  Empréstimos feito pelo PT à Venezuela somam R$ 2,6 bi e BNDES reconhece risco de calote