Para prender Richa, juiz de Curitiba enfrentou decisão de Gilmar Mendes

O juiz Paulo Sergio Ribeiro, da 23ª Vara Federal de Curitiba, precisou enfrentar uma decisão do ministro Gilmar Mendes para poder prender o ex-governador Beto Richa.

Beto Richa já havia sido preso em setembro de 2018, mas foi solto por um habeas corpos de Gilmar Mendes.

Relacionados:  "A operação para derrubar Moro e “zerar” a Lava Jato nasceu morta e desde então é mantida na base de aparelhos"

Acontece que esse habeas corpus servia como ‘salvo-conduto’ para prisões preventivas operadas com base em “risco à ordem pública e econômica”. O juiz Ribeiro, então, justificou a prisão com a necessidade da ação com o fundamento de “conveniência da instrução criminal”, visto que os acusados estariam trabalhando com o objetivo de coagir testemunhas do caso.