Damares defende o uso da cloroquina: “é direito do paciente ter acesso ao remédio”

Damares

Enquanto o governo federal está prestes a flexibilizar as normas para permitir a utilização da cloroquina em pacientes infectados pelo novo coronavírus, a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves se mostrou favorável ao uso do remédio no tratamento de pessoas acometidas por covid-19, mesmo que não haja um consenso total na comunidade científica sobre a eficácia do remédio, devido a falta de testes em larga escala. O que há são testes promissores, mas em número insuficiente para ser consenso.

Segundo Damares, “é direito do paciente ter acesso ao remédio”. “Ninguém é obrigado a tomar cloroquina, então aqueles que não acreditam no remédio façam agora uma declaração falando ‘eu não quero tomar, e meu filho está proibido de tomar’. Faça só isso, ninguém é obrigado a tomar cloroquina, mas, antes de fazer a declaração, procure as outras correntes da ciência que estão defendendo que o remédio adicionado ao coagulante está dando certo. Vamos entender que a ciência tem correntes”, comentou a ministra nesta sexta-feira (15/5), durante evento no Palácio do Planalto em alusão aos 500 dias de governo do presidente Jair Bolsonaro.

Relacionados:  Damares fala que é diferente de movimentos feministas: "Sem o ódio, sem o cabelo no sovaco."

Ela garantiu que o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos está sendo acionado por médicos que querem autonomia médica para receitar a cloroquina.

“O dia inteiro de brasileiros que querem ter o direito de escolher se tomam ou não tomam”. É direito do paciente dizer se toma ou não toma. Então é direito do paciente ter acesso ao remédio. Os médicos querem autonomia médica no Brasil garantida para prescrever porque eles acreditam no remédio, é simplesmente isso. Quem não acredita, não toma. Quem acredita e está vendo os inúmeros testemunhos no Brasil e no mundo e correntes da ciência defendendo, toma. São direitos humanos sendo garantidos”, defendeu Damares.