“Estudo mostra que cloroquina reduz permanência em UTI”, diz Mandetta

Mandetta

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou durante entrevista coletiva que um estudo mostra que o uso da cloroquina em pacientes com Covid-19 reduz o “tempo médio de permanência” na UTI De acordo com ele, os resultados devem ser publicados nas próximas 40 horas em revistas científicas.

“Hoje a Secretaria de Ciência e Tecnologia [do Ministério da Saúde], o [secretário] Denizar Viana comunicou que o primeiro trabalho sobre cloroquina compilado dever ser publicado em revista científicas nas próximas 40 horas. Basicamente mostra que houve uma redução no tempo médio de permanência no CTI [centro de terapia intensiva], naqueles pacientes que usaram, independentemente da associação com qual antibiótico. É um primeiro passo, um primeiro paper que vem, e ajuda na conta que a gente tem que fazer de quantos leitos de CTI a gente precisa”, afirmou.

Relacionados:  Novo estudo com 1061 pacientes aponta melhora de 91% dos casos tratados com Hidroxicloroquina

Apesar do estudo, o ministro afirmou que ainda não há nenhum estudo apontando que o medicamento tenha ação de prevenção, mesmo que países como Índia e Turquia terem anunciado o uso do medicamente para este fim para alguns grupos da população.

Relacionados:  Pazuello lamenta conduta de Mandetta no início da pandemia: “Risco de morte cai drasticamente com tratamento precoce”

“Não tem evidência ainda que pode usar profilático, muito menos nas pessoas que não têm estado grave. Ainda não tem estudo”, ressaltou.

A cloroquina é um medicamento usado no tratamento de outras enfermidades, como a malária, a artrite e o lúpus, mas tem obtido bons resultados em pacientes nos EUA e França.