“Estudo mostra que cloroquina reduz permanência em UTI”, diz Mandetta

Mandetta

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou durante entrevista coletiva que um estudo mostra que o uso da cloroquina em pacientes com Covid-19 reduz o “tempo médio de permanência” na UTI De acordo com ele, os resultados devem ser publicados nas próximas 40 horas em revistas científicas.

“Hoje a Secretaria de Ciência e Tecnologia [do Ministério da Saúde], o [secretário] Denizar Viana comunicou que o primeiro trabalho sobre cloroquina compilado dever ser publicado em revista científicas nas próximas 40 horas. Basicamente mostra que houve uma redução no tempo médio de permanência no CTI [centro de terapia intensiva], naqueles pacientes que usaram, independentemente da associação com qual antibiótico. É um primeiro passo, um primeiro paper que vem, e ajuda na conta que a gente tem que fazer de quantos leitos de CTI a gente precisa”, afirmou.

Relacionados:  Maia cita Mandetta, Huck e Doria como seus possíveis candidatos para 2022

Apesar do estudo, o ministro afirmou que ainda não há nenhum estudo apontando que o medicamento tenha ação de prevenção, mesmo que países como Índia e Turquia terem anunciado o uso do medicamente para este fim para alguns grupos da população.

“Não tem evidência ainda que pode usar profilático, muito menos nas pessoas que não têm estado grave. Ainda não tem estudo”, ressaltou.

A cloroquina é um medicamento usado no tratamento de outras enfermidades, como a malária, a artrite e o lúpus, mas tem obtido bons resultados em pacientes nos EUA e França.