Unicamp cancela matrícula de 9 alunos por fraude no sistema de cotas raciais

A Unicamp cancelou as matrículas de nove estudantes após constatar que eles ingressaram na Universidade o sem atender aos critérios do sistema de cotas étnico-raciais. As apurações começaram em junho, após a universidade estadual receber 141 denúncias, e o resultado foi confirmado ao portal G1 pelo reitor, Marcelo Knobel.

“Foi considerado pela comissão que eles não atendiam às características fenotípicas. Eles foram comunicados e tiveram dez dias úteis para recurso interno. Alguns foram reconsiderados, outros não […] Foi um trabalho feito com muito cuidado e determinação.”

O resultado indicava, antes da apuração, 1.007 estudantes beneficiados pelo sistema, o equivalente a 29,4% dos novos alunos. Deste total, 711 ingressaram pelo vestibular tradicional e 296 por meio da seleção que tem como critério a nota obtida pelo candidato no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), segundo os números da própria instituição.

Relacionados:  Universidade Federal no Nordeste terá cota para transexuais.

“Foram seguidas normas e critérios estabelecidos em outras universidades que têm esse sistema há mais tempo. A comissão está de parabéns, foi um trabalho difícil, cada um foi entrevistado pessoalmente, um trabalho muito importante”, explica Knobel.

De acordo com o reitor, outras dez pessoas indicadas nas denúncias por fraude nas Cotas Raciais já tinham abandonado os cursos da Unicamp antes do resultado da comissão. “Já estavam inativas”, lembra o reitor.

Relacionados:  Universidade Federal no Nordeste terá cota para transexuais.

Alunos com matrícula cancelada estavam nos cursos de Administração, Engenharia civil, Engenharia mecânica, Engenharia química, Estatística, Geografia, Licenciatura em química eLicenciatura em matemática