Gebran Neto rejeita o uso mensagens roubadas pela defesa de Lula

O desembargador do TR4, que julga o processo de Lula no esquema do Sítio em Atibaia, Gebran Neto, indeferiu pedido da defesa de Lula para tentar incluir no processo as mensagens roubadas pelos hackers de celulares de autoridade da Lava Jato.

“É sabido até pelas pedras que o material é fruto de interceptação absolutamente ilícita.”

Em seu voto, o desembargador também negou o pedido da defesa do ex-presidente condenado por corrupção e lavagem de dinheiro pela suspeição de Moro:

Relacionados:  Em Porto Alegre, outdoors pedem “Lula na cadeia”

“Tenta a defesa atribuir ao processo criminal uma conotação política, visão esta bastante equivocada, ao meu juízo, e que explica-se pela tentativa de desqualificar não só o juiz natural, mas também a atividade jurisdicional. Ainda que do processo possa surgir repercussões políticas e sociais, tais aspectos externos não o contaminam. Tampouco se confirma qualquer seletividade deliberada para prejudicar o apelante ou mesmo o invocado o antagonismo político. Digo eu: o juiz não é parte do processo.”