Wilson Witzel recorrerá à ONU para igualar PCC à grupos terroristas Al-Qaeda e Estado Islâmico

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), irá solicitar ajuda ao Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) para dificultar a entrada no Brasil de armas usadas por facções criminosas como Comando Vermelho (CV) e Primeiro Comando da Capital (PCC).

“Em 2017, a ONU editou uma resolução por unanimidade para reduzir, eliminar o envio de armas a grupos terroristas. O que diferencia o Comando Vermelho do grupo Isis (sigla usada para identificar o Estado Islâmico)? O que diferencia o PCC do grupo terrorista Al-Qaeda? São facções que não têm escrúpulos, cooptando os pobres para a morte e destruindo as famílias nas comunidades. É por isso que eu disse recentemente que nós precisamos levar ao Conselho de Segurança da ONU a mesma responsabilidade que temos de enfrentar o terrorismo”

Witzel pediu que o procurador-geral de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, Eduardo Gussem, acompanhe a iniciativa para intervir junto à ONU:

Relacionados:  Sergio Moro já isolou 321 integrantes de Facções criminosas em presídios Federais

“(Gussem) certamente não hesitará em nos acompanhar nessa missão junto ao Conselho de Segurança da ONU. Peço que designe o procurador de Justiça Marcelo Monteiro para se integrar a essa missão. Juntamente com nosso assessor especial Roberto Mota (ele) levará os documentos ao Conselho de Segurança da ONU”, argumentou.

Witzel também pediu apoio dos Deputados Estaduais:

“Vamos ao Conselho de Segurança da ONU demonstrar que no Estado do Rio de Janeiro estamos fazendo nosso trabalho, mas não conseguiremos extirpar das comunidades o armamento bélico que entra pelas nossas fronteiras e criminosamente está sendo distribuído por países como Paraguai e a Bolívia. Que a ONU, através de seu Conselho de Segurança, reconheça que essas facções que hoje estão nas comunidades são narcoterroristas e faça o que fez com a Al-Qaeda e o Isis: impeça que a indústria de armamentos continue a fornecer a esses criminosos o poder de sangrar as nossas crianças e nossas famílias”, completou.