Caixa corta patrocínio de cinema de São Paulo

Em uma matéria da Folha, foi informado que o Caixa Belas Artes, agora voltará a se chamar somente Belas Artes, pois o Banco cortou o patrocínio. Embora o contrato ainda esteja suspenso e sob análise, devido aos elevados custos, como por exemplo o aluguel de R$ 2 milhões ao ano, o cinema pode fechar em dois meses.

O perfil Isentões, voltado mais recentemente à prática investigativa de verbas repassadas no portal de transparência, divulgou que “a Secom já disponibilizou em verba publicitária para Cinemas. Entre 2000 e 2016, foram realizadas mais de 4500 captações que somam mais de 190 milhões de reais”.

Bene Barbosa, articulista e analista de segurança, além de provavelmente a maior autoridade no assunto de armamento civil no Brasil, declarou que o mesmo Cine Belas Artes, embora recebendo verba pública, se negou a estrear o documentário “Desarmados” em 2016.

2 Comentários em Caixa corta patrocínio de cinema de São Paulo

  1. O atual presidente corta patrocínio , mas viaja todo fim de semana acompanhado de mais de 15 assessores , visitando hospitais , escolas, comunidades como se estivesse em campanha política … sou empregado caixa e nunca vi um presidente viajando com esse tanto de gente , desnecessário .
    E para piorar a gastança , está fazendo da empresa um cabide de empregos ( como o consultor Personal e outros ), desmerecendo os empregados de carreira , tirando funções , não respeitando o banco de sucessores de valorizacao dos empregados , a meritocracia dele vale para indicação pessoal.
    Como se não bastasse , destituiu essa semana dois vice presidentes selecionados no primeiro processo seletivo para dirigente, realizado no final do ano passado. A atual seleção comandada por ele , não é confiável , visto que um dos selecionados ( brigadeiro Mozart), agora vice-presidente, participou da banca de entrevista dos outros candidatos selecionados .
    Infelizmente acreditava que com essa seleção de dirigentes iniciada no ano passado, devido às denúncias de irregularidade na empresa, ficaríamos livres das indicações políticas , mas tudo que começa sério nesse país , termina esculhambado, colocaram um egocêntrico que adora holofotes para dirigir a CAIXA.
    Lamentável !!!

Deixe uma resposta