Colunista da Folha defende a prisão de Jair Bolsonaro: “A solução é impeachment e cadeia”

Colunista Folha

O Colunista Celso Rocha de Barros, do Jornal Folha de São Paulo defende a prisão do mandatário brasileiro, Jair Bolsonaro.

Para o sociólogo, o chefe do executivo merece ser preso após a divulgação da matéria da Revista Piauí sobre uma possível intenção do presidente de utilizar as Forças Armadas para intervir no Supremo Tribunal Federal.

“A edição da revista piauí deste mês traz uma matéria, assinada por Monica Gugliano, com o título ‘Vou Intervir’!. Ela conta a história de uma reunião de 22 de maio, no Palácio do Planalto, em que Bolsonaro teria decidido mandar tropas para fechar o STF”, escreve Celso Rocha de Barros.

“O plano seria substituir os 11 ministros por 11 puxa-sacos de Bolsonaro, por tempo indeterminado. Uma quartelada vagabunda raiz”… “O presidente teria sido dissuadido pelo general Heleno, que, para apaziguá-lo, soltou uma nota ameaçando o STF”.

“A revelação da piauí não teve repercussão política nenhuma. E a explicação é simples: em geral, só se admite em voz alta aquilo de cujas consequências práticas se está disposto a arcar”.

“Muito antes da matéria da piauí, todo mundo já tinha visto Bolsonaro tentar o autogolpe em 2020. Mas, se você disser em voz alta que Bolsonaro tentou um autogolpe, a solução é impeachment e cadeia. Se você não puder e/ou não quiser fazer impeachment e cadeia, é mais fácil não dizer em voz alta que Bolsonaro tentou um autogolpe”.

Relacionados:  Maioria da população é contra impeachment, diz pesquisa

“Ainda não parece haver correlação de forças para impeachment e cadeia: o centrão está no bolso do governo, o auxílio emergencial ainda deve durar alguns meses. Enquanto for assim, a turma vai fingir que não viu o golpe, os 100 mil mortos, o aparelhamento na Polícia Federal”.

“O dia de trabalho de Bolsonaro durante a pandemia de 2020 se dividiu entre organizar um golpe de manhã, aparelhar a Polícia Federal de tarde e demitir o ministro da Saúde no telejornal da noite”.