Cármem Lúcia assina decreto que cria cota para presidiários e ex-presidiários em empresas ligadas ao governo

Brazil's Supreme Court President Carmen Lucia gestures during a session of the Supreme Court to decide whether judge Edson Fachin continues as rapporteur for JBS and can approve ratification agreements, in Brasilia, Brazil June 22, 2017. REUTERS/Ueslei Marcelino

De acordo como decreto assinado na terça-feira, 24, pela presidente em exercício Cármen Lúcia, as empresas contratadas pelo governo federal para prestação de serviços devem oferecer cotas para presidiários e ex-presidiários sempre que os contratos firmados entre as partes ultrapassarem o valor de R$ 300 mil.
O governo federal alega a ressocialização de apenados.
A medida é do governo de Michel Temer (MDB) e Cármem Lúcia apenas cumpriu o que já era previsto pelo Executivo, já que o presidente passou o cargo momentaneamente.
Com o decreto, esse tipo de contratação é obrigatória e interfere diretamente nas empresas que firmam contrato com a União. Presidiários e ex-presidiários ocuparão espaços para trabalhar em consultoria, limpeza, vigilância e alimentação.
Segundo o governo federal, os editais de licitação para os serviços já serão confeccionados com a previsão para contratação de presos. E a medida se aplica a presos provisórios, presos dos regimes fechado, semiaberto ou aberto, ou ainda egressos do sistema prisional.
Num país de milhões de desempregados, o ministro Raul Jungmann disse que a oferta e emprego para presos é fundamental para criar uma possibilidade de ressocialização, ainda que para preencher essas vagas, eles acabem tirando espaços de quem não cumpre pena ou tenha cometido crimes.

Precisamos da sua ajuda. Contribua com o trabalho da República de Curitiba: clique aqui

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta