Lira joga um balde de água fria na esquerda e afirma que só discutirá semipresidencialismo para 2026, ou seja, após dois mandatos de Bolsonaro

“Acabou a época de projetos esquecidos nas gavetas. E o semipresidencialismo é mais um desses. Surgiu antes da crise atual. Não é invenção minha. Podemos, sim, discutir o semipresidencialismo, que só valeria para as eleições de 2026, como qualquer outro projeto ou ideia que diminua a instabilidade crônica que o Brasil vive há muito tempo”, escreveu Lira.

Como o Broadcast/Estadão mostrou neste fim de semana, disposto a esvaziar a pressão para autorizar o impeachment de Jair Bolsonaro, Lira articula com aliados a mudança no sistema de governo por meio de uma proposta de emenda à Constituição (PEC).

A um ano e três meses das eleições de 2022 e sob a justificativa de que o presidencialismo virou uma fonte inesgotável de crises, a ideia apoiada por Lira e nomes de peso do mundo político e jurídico prevê a adoção do regime semipresidencialista no Brasil. O modelo introduz no cenário político a figura do primeiro-ministro e aumenta o poder do Congresso.

Ainda no Twitter, Lira disse que é seu papel colocar os temas apresentados em discussão na Câmara. “Esse é o nosso trabalho, essa é a nossa obrigação. Pressões são normais mas aceitá-las ou guiar-se por elas pode não ser a melhor prática. Como presidente da Câmara, estimulo o debate, tento trazer ao debate público soluções para os problemas do país. E é o que continuarei a fazer em cada dia do meu mandato”, escreveu.

O artigo Lira joga um balde de água fria na esquerda e afirma que só discutirá semipresidencialismo para 2026, ou seja, após dois mandatos de Bolsonaro foi publicado originalmente em Folha da República.

Generated by Feedzy