Em vídeo vazado, Jornalista da Globo grita e surta com funcionários e internautas reagem: “grosseria do bem”

Na manhã desta quarta-feira (23), passou a circular um vídeo nas redes sociais no qual a jornalista Christiane Pelajo, que apresenta a “Edição das 16h”, um dos principais telejornais da GloboNews, acabou surtando depois de haver problemas técnicos enquanto trabalhava.

“Gente do céu… É só aumentar o áudio! É só aumentar, dá pra fazer isso? Eu tô em voo cego. Se… na boa. Se tiver sem áudio. Eu vou sair do estúdio e só volto pro estúdio se tiver áudio. Não tem a menor condição de trabalhar assim. Não tem áudio nenhum! Eu tô em voo cego total, ninguém fala nada comigo no ponto, não tem áudio nenhum, não tem condição, gente”, reclamou a global.

Em surto, Christiane deixou o estúdio reclamando: “Pelo amor de Deus, cara. Não dá, não tem condição, gente. Eu achei que ontem fosse o ápice, mas não. Vou continuar sem áudio, é isso mesmo? Alguém pode me dizer… eu vou sair daqui. Só volto quando tiver áudio, tá? Chega. Não tem áudio, não tem como fazer um jornal em voo cego, sem áudio, sem retorno de áudio, alguém tá tentando consertar isso?”, gritou.

Depois da publicação cair nas redes sociais, apoiadores do presidente Jair Bolsonaro passaram a compartilhar com uma série de críticas e comentários irônicos sobre o surto autoritário da moça. Muitos afirmavam que se tratava de “grosseria do bem”.

Avisem ao operador de câmera que o @tercalivre quer contratá-lo. Esse cara merece ser honrado. pic.twitter.com/It5eDl3ffo

— Allan Dos Santos (@allanldsantos) June 23, 2021

Nossaaaaaa! Como o Presidente @jairbolsonaro é grosso! Bom mesmo é a maneira ‘educada’ que a Christiane Pelajo trata seus colegas de trabalho! CHILIQUENTA e SEM EDUCAÇÃO! Desliga a câmera pra ver! Logo se revelam! E parece que está de saco cheio de trabalhar na #GloboLixo pic.twitter.com/eaYGW8MAuX

— Lelia Adad (@AdadLelia) June 23, 2021

O artigo Em vídeo vazado, Jornalista da Globo grita e surta com funcionários e internautas reagem: “grosseria do bem” foi publicado originalmente em Folha da República.