Decreto de Bolsonaro autoriza estudos sobre a privatização de Unidades Básicas de Saúde do SUS

Guedes Bolonaro

Um decreto publicado nesta terça-feira (27) permite que o Ministério da Economia realize estudos para a inclusão das Unidades Básicas de Saúde (UBS) dentro do Programa de Parcerias de Investimentos da Presidência da República (PPI) para melhorar o atendimento e a gestão das unidades no serviço á população. O PPI é o programa do governo que trata de privatizações, em projetos que incluem desde ferrovias até empresas públicas, especialmente as que dão prejuízo.

O texto do decreto 10.530, assinado pelo presidente Jair Bolsonaro e o ministro Paulo Guedes, afirma que a “política de fomento ao setor de atenção primária à saúde” está “qualificada” para participar do PPI.

Segundo o decreto do governo federal, os estudos sobre as UBS devem avaliar “alternativas de parcerias com a iniciativa privada para a construção, a modernização e a operação de Unidades Básicas de Saúde dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios”.

Em nota, o Ministério da Economia afirmou que o “principal ponto do projeto é encontrar soluções para a quantidade significativa de Unidades Básicas de Saúde inconclusas ou que não estão em operação no país”.

Relacionados:  “Não adianta falar mal do Jair Bolsonaro, ele é o presidente de todo mundo”, diz Adriane Galisteu

Além disso, a pasta afirma que o PPI irá trabalhar com o Ministério da Saúde e o BNDES na definição de diretrizes e na seleção de “municípios ou consórcios públicos” interessados.

A Secretaria-Geral da Presidência ressaltou por meio de nota que o decreto não representa uma decisão prévia do governo federal quanto ao futuro das UBS.

“O objetivo primordial do Decreto é tão somente permitir que sejam realizados ou contratados estudos multidisciplinares (econômico-financeiros, gerenciais, políticos, jurídicos e sociais) para alimentar o governo de dados e informações sobre a atual situação das UBS, eventuais opções existentes para a melhoria das UBS, possibilidade de parcerias com a iniciativa privada e, por fim, a viabilidade (ou inviabilidade) de aplicação concreta daquelas alternativas”, diz em nota.