Marcel dá uma dura em Amoêdo, que defendeu vacina obrigatória: “Ele Não é líder do NOVO!”

Amoedo e Marcel

O vice-líder do partido Novo na Câmara, Marcel van Hattem (RS) criticou, nesta segunda-feira, 19, o papel exercido por João Amoêdo na sigla. “Perde-se muito tempo debatendo assuntos laterais por conta dessa percepção errada de que o João Amoêdo é líder do Novo”, publicou o parlamentar em sua conta no Twitter. A postagem faz parte de uma série de publicações de Hattem em resposta à fala do ex-presidenciável de que pessoas que decidirem não tomar vacina deveriam ser punidas.

Van Hattem disse que é errado que a opinião de Amoêdo seja “usada contra o Novo inteiro”. “O dono do partido não é UMA pessoa mas seus mais de 40 mil filiados”, completou o parlamentar. Ele destacou ainda que Amoêdo não faz mais parte da presidência da sigla, cargo ocupado por Eduardo Ribeiro desde março deste ano.

Apesar de defender a vacinação, van Hattem afirmou: “se eu não estiver seguro sobre a eficácia de uma vacina contra a covid nem de seus efeitos colaterais, é meu direito não tomá-la. Ponto”. De acordo com o vice-líder, Amoêdo “entrou numa polêmica que tem, a meu ver, desviado atenção de outros problemas maiores no país”.

Relacionados:  Partido Novo aciona TSE para destinar fundo partidário ao combate do Coronavírus

Outros parlamentares do Novo seguiram a mesma linha de críticas. Giuseppe Riesgo (RS) chamou de “absurdas” as sanções como a sugerida pelo ex-presidenciável, afirmando que essas medidas geram “pânico e conspiracionismo”. Já Gilson Marques (SC) chamou a obrigatoriedade da vacina de “abuso e violação do direito individual que reforça teorias conspiratórias”.