Na ONU, Trump pede punição a China pela propagação do coronavírus

Trump

O presidente americano, Donald Trump, atacou a China pela forma como o país asiático gerenciou a crise de coronavírus em seu discurso na Assembleia Geral da ONU nesta terça-feira (22). O americano foi o primeiro a falar após o discurso de abertura do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (veja como foi o pronunciamento do brasileiro aqui).

O líder do mundo ocidental voltou a chamar o Sars-Cov-2 de “vírus chinês”, que ele disse ser um inimigo invisível.

“Nos primeiros dias do vírus, a China fechou-se para viagens domésticas, mas permitiu que as pessoas saíssem da China e infectassem o mundo”, disse Trump. Em seguida, ele pediu para que a ONU responsabilize os chineses pela propagação da doença

“O governo chinês e a Organização Mundial da Saúde, que é controlada pela China, falsamente declararam que não havia evidência de transmissão entre humanos. Depois, afirmaram falsamente que as pessoas sem sintomas não poderiam espalhar a doença. A ONU precisa responsabilizar a China pelas suas ações.”

Relacionados:  Trump anuncia rompimento dos EUA com a OMS e acusa entidade de conluio com a China

Ele então comparou os dois países: “Os que atacam o bom histórico ambiental dos EUA e ignoram a poluição na China não estão interessados no ambiente. Eles só querem punir os EUA. E eu não vou tolerar isso”.

O presidente dos EUA ainda disse que confrontou a China depois de “décadas de abuso” no comércio internacional

Trump falou quais deveriam ser as prioridades da ONU: “Se a ONU quiser ser uma organização eficiente, precisa focar nos problemas reais do mundo. Isso inclui terrorismo, a opressão de mulheres, trabalho forçado, tráfico de drogas e de pessoas, perseguição religiosa e limpeza étnica de minorias”.