Ministro Fachin diz que há um ‘projeto autoritário’ em andamento no país

Fachin Bolsonaro

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin, disse que está em andamento no país um projeto autoritário.

Em uma videoconferência com acadêmicos da Universidade Federal do Paraná, ele mencionou o que classifica como “endoautoritaristmo”. Segundo o ministro, seria um pensamento “com verniz democrático e, por dentro, as instituições serem corroídas a tal ponto de que o hospedeiro, que é a democracia, seja destruído pelo parasita, que é o autoritarismo”. Na visão do ministro, esse pensamento também menospreza questões como o meio ambiente, os povos indígenas e quilombolas. Ele classificou como “agenda pré-88”, em referência ao ano em que foi promulgada a Constituição. Para Edson Fachin, nas eleições de 2022, a população terá que fazer uma escolha entre um projeto democrático e um autoritário.

Fachin descreveu o que caracterizaria o projeto autoritário no país: “uma agenda em raízes de elogio à ditadura civil-militar, uma agenda, portanto, de mentes autoritárias, de menosprezo à democracia, de menosprezo a questões vitais, como meio ambiente, povos indígenas, quilombolas.”

Relacionados:  Jair Bolsonaro será o primeiro presidente latino-americano a abrir Fórum de Davos

E continuou: “de uma agenda que mistura o nome de Deus com negócios do Estado e uma agenda que tem uma política armamentista, que desrespeita as instituições democráticas, que ofende a imprensa, que escolhe inimigos externos e que busca, entre outras coisas, o controle da educação e do ensino.”