Lacombe: “A Globo faz de tudo para derrubar o presidente!”

Luis Lacombe

Em entrevista ao site Metrópoles, o comunicador Luís Ernesto Lacombe, nova estrela da RedeTV!, teceu críticas contra o jornalismo ‘de oposição’ praticado pela TV Globo atualmente.

Lacombe não escondeu o descontentamento com a linha editorial da emissora e afirma que a emissora carioca “milita” e “faz de tudo para derrubar” Bolsonaro. Segundo ele, o grupo de comunicação pratica atualmente “uma guerra contra o governo”.

“Eu tenho hoje críticas pesadas e profundas contra o jornalismo que a Globo faz. Acho que a Globo está numa guerra contra um governo e milita e faz de tudo para derrubar um presidente. Pode até ser que você esteja lendo um TP, mas o que aconteceu antes, já denota uma guerra contra o governo”, argumentou.

Relacionados:  Finalmente acontecerá a esperada 'superlive' de Lacombe com Sikêra Jr.

O jornalista aponta que a Globo distorceu fatos contra o presidente da República, como o caso do porteiro do condomínio onde Bolsonaro morava. Segundo o apresentador, mesmo sem ter uma notícia, a emissora carioca optou por produzir a reportagem.

“Praticamente omitem o que há de bom deste governo ou inventam ou aumentam o que há de ruim. O caso mais clássico é o caso do porteiro do Bolsonaro, quando não havia uma matéria e mesmo assim eles fizeram a matéria. Eventualmente eles erram a mão e erram a mão feio”, disse.

Luis Lacombe, que deve ganhar um espaço de destaque da emissora de Marcelo de Carvalho afirmou que a Globo “comprou” uma ideologia de politicamente correto e por isso vem perdendo audiência.

Relacionados:  Levantamento mostra que Oposição já foi 45 vezes ao STF para derrubar iniciativas de Bolsonaro e sua equipe

“O politicamente correto acaba sendo mais espécie de censura a um pensamento e uma linguagem, então ele separa, ele divide. A Globo comprou o politicamente correto, assim como muitas empresas compram, um discurso humanitário, emocional, mas vazio, sem fundamento, para conquistar o público, mas perde grande parte do público. Esse politicamente correto é nefasto”, disse.