Sikêra Jr. afirma não se abalar com derrota para trans na justiça: “Continuo defendendo Jesus”

Sikera

O apresentador, fenômeno de audiência, foi condenado a pagar R$ 30 mil a modelo transexual Viviany Beleboni por injúria e difamação.

Ele lamentou não ter o apoio da Igreja Católica.

“Nesse momento eu me sinto só. Eu não tive aquele apoio que imaginei de quem mais eu defendo. Vou continuar defendendo a família brasileira, o cidadão de bem e em quem eu acredito, no meu senhor Jesus Cristo – Disse o apresentador – É um desrespeito o que estão fazendo com o nosso senhor Jesus Cristo. No carnaval, a parada gay. Estão desrespeitando. Agora, qualquer coisa coisa minha é ofensa. Qualquer coisa minha é ódio. De lá pra cá é arte.”, disse;

O Apresentador foi condenado por usou a imagem da transexual para comentar um crime cometido por um casal de mulheres lésbicas. Depois, ele fez o seguinte comentário: “isto é um lixo, uma bosta, uma raça desgraçada”, em seu comentário.

Relacionados:  Rachel Sheherazade é dispensada do SBT

A modelo em questão ficou famosa ao representar Jesus Cristo durante a Parada do Orgulho LGBT de 2015.

No processo, o apresentador se justificou dizendo que não quis comparar a modelo com às assassinas e que “apenas emitiu opinião sobre movimentos que, como a Parada Gay e seus adeptos, trata com chacota os símbolos do cristianismo”.

“Ao sair desfilando vestida de Jesus Cristo, deveria ter previsto que tal manifestação chocaria a sociedade” argumentou a advogada Viviane Barros Vidal, que representa Sikêra Jr. no caso.