Após críticas de Leonardo DiCaprio, Mourão convida ator para marchar oito horas na selva amazônica

Mourão Dicaprio

Após o ator americano Leonardo DiCaprio criticar a atuação do presidente Jair Bolsonaro  em relação a um suposto aumento de queimadas na Amazônia, nesta quarta-feira (19), o vice-presidente Hamilton Mourão ironizou convidou o astro para “uma marcha de oito horas pela selva”.

“Eu gostaria de convidar nosso mais recente crítico, o nosso ator Leonardo DiCaprio, para ele ir comigo a São Gabriel da Cachoeira [no Amazonas] e nós fazermos uma marcha de oito horas pela selva entre o aeroporto de São Gabriel e a estrada de Cucuí”, disse Mourão no Fórum Mundial Amazônia+21, debate entre governo e setor produtivo. “Ele vai aprender, em cada socavão que ele tiver que passar, que a Amazônia não é uma planície, e aí entenderá melhor como funcionam as coisas nesta imensa região”, continuou o general na resposta ao ator americano.

DiCaprio compartilhou uma matéria do jornal inglês The Guardian indicando que o número de queimadas na Amazônia brasileira aumentou 28% em julho em relação ao mesmo mês do ano passado, de acordo com dados do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). O Inpe indica 6.803 focos de incêndio em julho de 2020 contra 5.318 em julho de 2019. Até o dia 18 de agosto deste ano, já são 18.343 focos ativos de queimada na Amazônia. Em todo o mês de agosto de 2019, foram 30.900.

Relacionados:  Mourão exalta nova base brasileira na Antártica: “Desperta a admiração do mundo”

“O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, está sob pressão internacional para conter as queimadas, mas ele duvidou publicamente da gravidade delas no passado, alegando que oponentes e comunidades indígenas foram os responsáveis”, escreveu Leonardo DiCaprio. “Os incêndios florestais na Amazônia no ano passado foram devastadores o suficiente, mas com o clima mais seco neste ano até agora, assim como a pandemia do coronavírus, que matou mais de 99 mil brasileiros, há uma preocupação crescente de que o desmatamento em curso não esteja recebendo atenção suficiente”, argumentou o ator envolvido em causas ambientais.

Referência