Gilmar diz que inquérito das fake news contribui para “mundo civilizado”

Gilmar

Gilmar Mendes disse que o inquérito das fake news, que está no Supremo sob relatoria do ministro Alexandre de Moraes, criou um outro ambiente no Brasil e talvez signifique uma contribuição para um “mundo civilizado”. “Acho que nós estamos vencendo esse ambiente sombrio, esse cenários de ódio, e estamos voltando para patamares mais civilizados”, disse, segundo o Correio Braziliense.

A opinião do Ministro do STF foi emitida em seminário do Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP). O inquérito, aberto em março do ano passado, foi amplamente questionado por procuradores, que avaliaram que o Supremo estava agindo como Ministério Público, mas recebeu o aval do procurador-geral da República (PGR), Augusto Aras, depois que ele assumiu o cargo. Quando as investigações atingiram deputados e apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, Aras e o governo passaram a criticá-lo amplamente. O inquérito continua sendo alvo de muita polêmica e questionamentos de procuradores.

O ministro disse também ter a impressão de que o ambiente político polarizado contribuiu para o ambiente das redes sociais, com construção de inimigos, culpados, e informações falsas. O ministro afirmou que inicialmente, acreditava-se que as redes sociais seriam um instrumento de democracia direta; um novo ambiente civilizatório, o que não se provou real.

Relacionados:  Gilmar Mendes proíbe investigação sobre Glenn Greenwald

“Esses prognósticos não se confirmaram, ou ao menos não integralmente. Pelo contrário, a internet se tornou um espaço onde habitam vários ‘guetos’ discriminatórios, grupos que só falam entre si e que tem uma visão de mundo às vezes muito encurtada e a partir daí professam, às vezes com ideologia, o ódio, o ataque às pessoas e às instituições. Eu acho que nesse contexto que se explica esse ataque ao Supremo. E, claro, há essas vertentes políticas que se ‘alimentaram’ desse solo, desse ambiente que se criou”, afirmou.