Felipe Neto associa governo da Ucrânia ao neonazismo e é rebatido pelo embaixador: “O senhor deveria estudar”

Ucrania

O youtuber Felipe Neto foi corrigido publicamente pelo embaixador da Ucrânia no Brasil, Rostyslav Tronenko, após alegar publicamente que o país europeu seria governador por “neonazistas”. No episódio, o influenciador infanto-juvenil defendeu a suspensão das contas de apoiadores de Jair Bolsonaro nas redes sociais e exemplificou citando um tuíte de Bernardo Kuster, aliado de Bolsonaro, defendendo a “ucranização” do Brasil.

“Ucrânia foi tomada pelo partido neonazista Pravy Sektor, com o braço armado UPA. Usam revisionismo para reescrever a história e sua participação na perseguição a judeus, poloneses e outras minorias ali” – disse o youtuber

“Sua afirmação é desconexa e absurda. Neo-nazistas não estão no poder em meu país e creio que antes de falar sobre um tema tão polêmico claramente usando termos que repercutem no cenário político brasileiro atual, o senhor deveria estudar um pouco sobre”, escreveu o emabaixador Tronenko, anexando textos que poderiam servir para os estudos de Felipe.

Relacionados:  Felipe Neto endossa defesa da atitude de Cid Gomes com a Retroescavadeira