Alexandre de Moraes determina quebra de sigilo bancário de deputados da base de Bolsonaro

Deputados Moraes

O ministro Alexandre de Moraes, do STF, determinou a quebra do sigilo bancário de deputados federais apoiadores de Bolsonaro no âmbito do inquérito que apura a realização de atos antidemocráticos em Brasília.

O jornal O Globo divulgou que a iniciativa visa apurar se os parlamentares atuaram no financiamento das manifestações que pediram o fechamento do STF e do Congresso Nacional.

A decisão foi tomada em conjunto com a autorização de ações de busca e apreensão cumpridas pela Polícia Federal mais cedo em endereços ligados a 21 alvos relacionados aos atos investigados. A operação batizada de Lume foi solicitada pela Procuradoria-Geral da República, que conduz as investigações abertas em abril.

Um dos alvos das buscas foi o deputado federal de direita Daniel Silveira (PSL-RJ). Alguns empresários também foram alvos, como Otávio Fakhoury, e o advogado Luís Felipe Belmonte, que tem participado da organização do novo partido do presidente Jair Bolsonaro – o Aliança pelo Brasil. Ontem (15), a PF já havia cumprido mandado de prisão temporária da ativistaSara Winter.

Relacionados:  Ministro da Defesa diz que Forças Armadas concordam com a nota de Heleno

Segundo a reportagem, o magistrado determinou a quebra dos sigilos bancários de ao menos quatro parlamentares aliados do presidente: Bia Kicis (PSL-DF), Carla Zambelli (PSL-SP), Cabo Junio Amaral (PSL-MG) e Otoni de Paula (PSC-RJ).

Posteriormente, o site O Antagonista divulgou que o sigilo de outros deputados e um senador também foram quebrados pelo STF. São eles: Daniel Silveira (PSL-RJ), Caroline de Toni (PSL-SC), Alê Silva (PSL-MG), General Girão (PSL-RN), Guiga Peixoto (PSL-SP), Aline Sleutjes (PSL-PR) e o senador Arolde de Oliveira (PSD-RJ)