General Girão: “O ministro Fux e sua vasta assessoria deveriam se ocupar de algo mais útil para a Nação”

Girão

Através das redes sociais, o deputado e General Girão rebateu a decisão do STF de que as Forças Armadas não seriam uma espécie de poder moderador e não poderiam agir caso um dos poderes afrontem a democracia.

Atendendo uma ação movida pelo PDT, Fux deu, em caráter liminar, uma decisão que afirma que as Forças Armadas não podem interferir caso um poder constitucional interfira em outro poder, tese que vem sendo defendida pelo jurista Ives Gandra Martins.

“O ministro Fux e sua vasta assessoria deveriam se ocupar de algo mais útil para a Nação do que atender a propostas descaradamente ridículas de partidos de esquerda, nesse caso o PDT, que só trabalham para transformar o Brasil, em uma nova grande Cuba ou na nova Venezuela.

Qualquer cidadão de bem sabe que as Forças Armadas só irão quebrar a normalidade democrática em último caso. E não será essa ou qualquer outra esdrúxula interpretação de um ministro sem voto que irão impedir ou motivar uma eventual intervenção. Querem limitar os poderes do PR.

O PR é o Cmt Supremo das FFAA (inciso XII,art.84/CF). A forma como imagina o ministro Fux, configura interferência indevida na independência entre os Poderes. Qualquer interpretação nesse sentido é incabível. A própria decisão, em caráter monocrático, e liminar, é agressão.

“O emprego das FFAA pode ser realizado para “prestar-se ao excepcional enfrentamento de grave e concreta violação à SegPub interna”. Vale dizer que é bom que o STF não promova, como alguns ministros vêm insistido, nenhuma “grave e concreta violação à segurança pública interna”.