Teich afirma que “Nunca teve qualquer pressão do governo” com números

Nelson Teich

Ex-ministro da Saúde, Nelson Teich afirmou em entrevista à CNN, nesta segunda-feira (8), que nunca sofreu pressão do governo com relação a números.

Teich também comentou a mudança de horário na divulgação dos números:

“A informação não vai deixar de existir. Essa mudança que aconteceu vai ter que ser revista, acredito que vai rever, porque não consigo imaginar a ideia de ocultar a informação. Isso vem dos estados e, se o ministério não consolidar, alguém vai. Não consigo ver essa situação da desinformação, porque ela vai chegar”, afirmou.

Nelson Teich garantiu que nunca sofreu qualquer pressão por parte do governo federal sobre a divulgação dos dados da Covid-19. “Nunca teve qualquer pressão do governo. Isso nunca aconteceu. A decisão de atrasar de 17h para às 19h foi porque naquele momento existia a informação de que a gente poderia ter uma revisão às 19h, então justamente para não gerar problema”, esclareceu.

O ex-ministro da Saúde ainda afirmou que o isolamento social irá funcionar para conter a doença, mas que “não é uma política, mas um privilégio” em lugares como o Rio de Janeiro, por exemplo. “Se não trabalha a realidade que você tem, vai começar a traçar políticas e soluções que são ideais no mundo real, mas que não vão dar certo no mundo verdadeiro”, disse.

Relacionados:  Levantamento aponta indícios de irregularidades em 99% dos contratos da Saúde do Rio

“É uma estratégia que vai funcionar, mas que, dependendo da intensidade e do tempo que passar, ficará mais difícil da sociedade conviver com ela. E é por isso que digo que tem que monitorar os índices da saúde, da economia e do social”, explicou o ex-ministro.

Teich também, aproveitou a entrevista para negar ter afirmado que a demissão foi o “dia mais triste” da vida dele e que assinar o protocolo sobre a cloroquina mancharia a carreira dele. “Minha história é minha história, e sempre conduzi de uma forma para que ela fosse a melhor possível. Naquele momento, a discussão estava em cima da cloroquina. O problema não era a cloroquina, podia ser qualquer remédio, mas a forma de você trabalhar a incorporação tecnológica”, explicou.