“Tese de lunáticos”, diz Gilmar Mendes sobre possibilidade de intervenção militar

Gilmar

Gilmar Mendes, Ministro do STF, classificou como “irresponsável” a interpretação do Artigo 142 da Constituição Federal que legitimaria a possibilidade de intervenção das Forças Armadas para conter excessos de um dos poderes da república. Ele também disse que a tese é “loucura” e “de lunático”.

As declarações do ministro foram dados em entrevista ao jornal O Valor Econômico.

Durante a entrevista, Gilmar Mendes rebatia uma declaração do procurador-geral da República, Augusto Aras. O procurador-geral afirmou que caso um Poder invada a competência do outro, poderia estar sujeito a perda de garantia constitucional das Forças Armadas.

“Quando o artigo 142 estabelece que as Forças Armadas devem garantir o funcionamento dos Poderes constituídos, essa garantia é no limite da garantia de cada Poder. Um poder que invade a competência de outro, em tese, não há de merecer a proteção que garante a Constituição.”

No mesmo dia, porém, Aras emitiu uma nota negando a possibilidade de Intervenção militar.

Relacionados:  General Ramos rebate Celso de Mello e pede respeito ao Presidente Bolsonaro

A possibilidade de usar o artigo 142 para legitimar uma intervenção militar pontual é defendida pelo constitucionalista e professor de Direito Ives Gandra Martins. Segundo ele, o artigo 142 da Constituição permite que as Forças Armadas sejam usadas como Poder Moderador caso algum dos Três Poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário) considere que tem sua competência invadida por outro.