“Ordens absurdas não se cumprem”, diz Bolsonaro sobre o inquérito do STF

Bolsonaro

O presidente da República,Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira (28) que “ordens absurdas não se cumprem”, em referência ao inquérito do STF contra ‘ataques contra a Corte’ e que cumpriu mandados de buscas e apreensões em endereços de empresários, ativistas e blogueiros que utilizam supostamente as redes para proferir críticas e ataques ao Supremo.

A operação, feita pela PF, é conduzida diretamente pelo ministro Alexandre de Moraes, relator no Supremo Tribunal Federal (STF) do inquérito que investiga a produção e disseminação de informações falsas e ofensas à Corte.

“Nunca tive a intenção de controlar a Polícia Federal, pelo menos isso serviu para mostrar ontem [quarta]”. Mas obviamente, ordens absurdas não se cumprem. E nós temos que botar um limite nessas questões”, afirmou Bolsonaro a jornalistas na saída da residência oficial do Palácio da Alvorada. “Não foi justo o que aconteceu no dia de ontem”, completou.

Bolsonaro disse ainda que tem as “armas da democracia nas mãos” e afirmou que não haverá um outro dia igual à quarta-feira.

“Repito, não teremos outro dia igual ontem. Chega! Chegamos no limite. Estou com as armas da democracia na mão. Eu honro os meus compromissos no juramento que fiz quando assumi a Presidência da República.”, afirmou o mandatário brasileiro.

Ele criticou decisões monocráticas (tomadas por um só ministro), como foi o caso do despacho de Moraes. Para ele, o Legislativo e o Judiciário devem ser independentes, mas defendeu que decisões sejam tomadas pelo colegiado (conjunto de ministros ou parlamentares).

Relacionados:  Bancada feminina do PSOL denuncia Bolsonaro à ONU

“Não podemos falar em democracia sem um Judiciário independente, sem um Legislativo também independente, para que possam tomar decisões, não monocraticamente por vezes, mas as questões que interessam ao povo como um todo, que tomem, mas de modo que seja ouvido o colegiado. Acabou, porra! Me desculpem o desabafo. Acabou! Não dá para admitir mais atitudes de certas pessoas individuais, tomando de forma quase que pessoal certas ações”, afirmou o chefe brasileiro.

“Trabalhamos ontem quase que o dia todo voltando para uma causa. Com dor no coração, ouvindo reclamos daqueles que tiveram sua propriedade privada violada, que não são bandidos, não são marginais, não são traficantes. Muito pelo contrário, são cidadãos, chefes de família, homens, mulheres, que foram surpreendidos com a Polícia Federal, que estava cumprindo ordens, batendo em sua casa”, afirmou o presidente da República.