Após escândalo de corrupção, Witzel exonera seu secretário da Saúde

Witzel

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), exonerou o secretário estadual de Saúde, Edmar Santos. A notícia foi antecipada com exclusividade por VEJA. O substituto será o diretor do Hospital Universitário Gaffrée e Guinle, Fernando Ferry. A decisão foi tomada neste domingo após o clima ficar insustentável no Palácio Guanabara. A pasta de Santos é um dos alvos da Operação Favorito, da Polícia Federal e do Ministério Público Federal (MPF), que investiga o empresário Mário Peixoto, maior fornecedor de mão-de-obra terceirizada da atual gestão de Witzel e também da do ex-governador Sérgio Cabral, preso em Bangu 8 pela Lava-Jato, destaca a Revista VEJA!

No início da noite, Wilson Witzel confirmou a informação de VEJA por meio de uma nota oficial. Segundo o governador, Edmar Santos foi demitido “por falhas na gestão de infraestrutura dos hospitais de campanha para atender as vítimas da Covid-19”. “Santos seguirá auxiliando o Estado e vai dirigir uma comissão de notáveis no enfrentamento à pandemia do coronavírus”, completou.

Os negócios de Mário Peixoto, segundo a denúncia do MPF, ainda estão entranhados em acordos obscuros na Secretaria de Saúde, de Edmar Santos, e na Fundação de Apoio à Escola Técnica (Faetec) e na Fundação Centro de Ciências e Educação Superior à Distância (Cecierj), ambas subordinadas a Leonardo Rodrigues, secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação. A força-tarefa também encontrou irregularidades no Departamento de Trânsito (Detran-RJ), que tem influência de outro secretário amigo de Peixoto: Lucas Tristão, de Desenvolvimento Econômico, Energia e Relações Internacionais, e de deputados estaduais. Alvo de uma devassa da Lava-Jato em 2018, o órgão faz parte da estrutura do vice-governador Cláudio Castro (PSC).

Relacionados:  Noiva de Lula pressiona sua ida para o semiaberto

A força-tarefa calcula que o grupo de Mário Peixoto usurpou cerca de 700 milhões de reais dos cofres do governo estadual. Wilson Witzel está incluído num inquérito no Superior Tribunal de Justiça (STJ) que apura fraude na compra de respiradores para pacientes com coronavírus.