General Braga Netto é enfático em dizer que Bolsonaro não falou em trocar superintendente da PF no Rio

Braga Netto

O ministro da Casa Civil, Walter Braga Netto, afirmou nesta terça-feira (12) em depoimento que o presidente Jair Bolsonaro não mencionou a mudança no comando da Superintendência da Polícia Federal no Rio de Janeiro quando disse, em reunião ministerial ocorrida em 22 de abril, que tinha a intenção de trocar a segurança no Rio. De acordo com Braga Netto, o presidente falava da segurança pessoal de sua família, destaca o G1.

A declaração do ministro referendou o que o próprio presidente havia dito mais cedo, quando alegou que sua preocupação era com a segurança da família, e não com investigações. A afirmação não faz sentido, já que a segurança da família é atribuição do Gabinete de Segurança Institucional – e não do Ministério da Justiça ou da PF.

O vídeo da reunião é uma das evidências do inquérito aberto no Supremo Tribunal Federal (STF) para investigar denúncias de que Bolsonaro tentou interferir politicamente na PF feitas pelo ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro. Um dos motivos alegados por Moro para deixar o governo foi a exoneração do ex-diretor-geral da PF Mauricio Valeixo, seu homem de confiança.

Relacionados:  General Mourão exalta Heleno, Braga Netto e Ramos após depoimentos: 'Homens de Honra!'

A gravação do encontro ministerial de 22 de abril foi exibida a nesta terça em Brasília de forma reservada a Moro, à Procuradoria Geral e à PF por determinação do ministro Celso de Mello, do STF, responsável pelo inquérito. Fontes ouvidas pela TV Globo disseram que, no vídeo, Bolsonaro afirmou que a família era perseguida e que, por isso, iria trocar o comando da PF. O presidente também teria usado palavrões e feito ameaças.