“Milhões já sentem como é viver na Venezuela”, diz Bolsonaro sobre lockdown no Maranhão

bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro comparou o lockdown na Região Metropolitana de São Luís, ao socialismo da Venezuela. Na publicação, o presidente anexou um vídeo de uma abordagem policial de fiscalização no estado para criticar a gestão do governador Flávio Dino (PCdoB).

O Presidente é crítico de medidas que restrinjam a liberdade da população.

As imagens mostram um policial uniformizado dentro de um ônibus, em que checa quais passageiros estão se deslocando para “atividades essenciais”. Desde o dia 5 de maio, por determinação da Justiça, só estão sendo permitidos o funcionamento de serviços essenciais e a circulação de pessoas que trabalham para esses serviços, nas quatro cidades da Grande São Luís.

Bolsonaro disse que “milhões já sentem como é viver na Venezuela”.

‘Documento e declaração de que vai trabalhar’… Se não tem desce. Assim o povo está sendo tratado e governado pelo PCdoB/MA e situações semelhantes em mais estados. O chefe de família deve ficar em casa passando fome com sua família. Milhões já sentem como é viver na Venezuela”, publicou o presidente da República sobre o lockdown no Maranhão.

Relacionados:  Aliança Pelo Brasil já pode receber assinaturas

Em resposta, o governador do Partido Comunista, Flávio Dino, disse que o presidente estaria “tentando sabotar medidas sanitárias” de combate à pandemia e estaria fingindo “estar preocupado com o desemprego”.

“Bolsonaro inicia o domingo me agredindo e tentando sabotar medidas sanitárias determinadas pelo Judiciário e executadas pelo Governo. E finge estar preocupado com o desemprego. Deveria então fazer algo de útil e não ficar passeando de jet ski para “comemorar” 10.000 mortos”, publicou o comunista, em resposta ao presidente.

Com informações do G1