Estado de São Paulo já libertou 3.100 presos em ‘saidinha do Coronavírus’

Coronavírus nas cadeias

A Justiça de de São Paulo já libertou 3.103 mil criminosos por decisões judiciais motivadas pela pandemia de Coronavírus. O balanço é da Secretaria da Administração Penitenciária e considera o período de 19 de março, um dia antes de o governador João Doria anunciar um decreto de calamidade pública no estado em razão do novo coronavírus, e a última terça-feira (5).

Entre os criminosos beneficiados está o ex-médico Roger Abdelmassih, de 76 anos, que solicitou o benefício alegando fazer parte do grupo de risco da doença, pois além de ser idoso tem doenças cardíacas e respiratórias, conforme laudos apresentados ao Judiciário.

O dado é pouco mais de 10% do total do Brasil, que tem 30 mil liberados, segundo o Depen (Departamento Penitenciário Nacional).

Em São Paulo, 14 presos tiveram a covid-19 confirmada por meio de exames laboratoriais. Deste total, sete morreram. Segundo a Secretaria de Administração Penitenciária de São Paulo, nos casos suspeitos entre os presos, o paciente é isolado e a Vigilância Epidemiológica local é contatada.

Relacionados:  Deputada do PSOL defende libertação de presos do grupo de risco para evitar Coronavírus nas cadeias

Além das medidas de higiene e distanciamento preconizados pelos órgãos de saúde, as atividades coletivas foram suspensas, e a limpeza de áreas foi intensificada. As visitas foram canceladas, e os presos que entram no sistema passam por uma quarentena antes de interagir com outros criminosos condenados.