China admite que ‘não computou’ quase 1.300 mortes por coronavírus em Wuhan

China

Quase 1.300 pessoas que morreram de coronavírus na cidade chinesa de Wuhan, ou metade do total, não foram incluídas na contagem de mortes por causa de ‘lapsos’, disse a mídia estatal chinesa nesta sexta-feira, mas o Regime comunista chinês ressaltou que ‘não houve acobertamento’

A cidade que deu origem ao surto acrescentou mais 1.290 fatalidades às 2.579 contadas anteriormente até quinta-feira, refletindo relatos incorretos, atrasos e omissões, de acordo com a força-tarefa do governo local encarregada de controlar o coronavírus.

Reagindo às mortes adicionais em Wuhan, a China revisou seu número nacional de mortes mais tarde nesta sexta-feira para 4.632.

Os rumores sobre mais vítimas foram atiçados por imagens de longas filas de familiares esperando para receber as cinzas de parentes cremados e relatos de milhares de urnas armazenadas em uma funerária esperando para serem preenchidas.

Relacionados:  “Já concluímos 12 obras públicas durante o período da crise”, diz Ministro Tarcísio

“No estágio inicial, devido à capacidade hospitalar limitada e à falta de pessoal médico, algumas instituições médicas não se conectaram a sistemas locais de controle e prevenção de doenças de forma oportuna, o que resultou no atraso do relato de casos confirmados e em algumas falhas na contagem precisa dos pacientes”, disse uma autoridadede Wuhan, segundo citações da mídia oficial chinesa.