Despesas com ex-presidentes chegam a R$ 60 milhões

Ex-presidentes

O Trabalho investigado do jornalista Lúcio Vaz tem trazido informações relevantes sobre o uso do dinheiro público por parte das autoridades.

Em mais uma matéria para o Jornal Gazeta do Povo, o jornalista revela os gastos de ex-presidentes de dinheiro público mesmo após a saída do poder.

As despesas com mordomias e regalias para ex-presidentes da República incluem assessores, seguranças, carros oficiais e viagens internacionais, somam R$ 60 milhões, valor suficientes para comprar 300 ambulâncias UTI móvel. Ainda no começo desse ano, foram comprados 12 veículos de luxo novos, por R$ 108 mil a unidade, para os seis ex-presidentes.

Dilma Rousseff, removida do cargo em 2016 após um processo de impeachment, gasta em média R$ 1,6 milhão por ano. A maior concentração de despesas foi em 2017 – R$ 1,87 milhão, incluindo os salários dos assessores, seguranças e motoristas.

O ex-morador da carceragem da PF em Curitiba, Lula, tem despesas médias de R$ 1,2 milhão, sem contar os 19 meses preso. Naquele período, as verbas foram cortadas, porém, foram mantidos os oito assessores, a um custo de R$ 1 milhão. Em 2014, o ano de maior despesas com mordomias, Lula gastou R$ 1,4 milhão.

Relacionados:  PT propõe a criação do 'Conselho dos ex-presidentes' para controlar pandemia de Coronavírus

Fernando Collor, atualmente senador pelo PROS. Fernando Henrique Cardoso (PSDB) manteve média de R$ 880 mil. Michel Temer (MDB) gastou R$ 795 mil em 2019, o primeiro ano completo fora do Planalto. José Sarney (MDB) ficou na média de R$ 700 mil.

Valor médio:

Valor acumulado: