“Sou comunista graças a Deus”, diz governador do Maranhão

Flávio Dino confirmou que o PC do B (Partido Comunista do Brasil), ao qual é filiado desde 2006, passará por mudanças em sua identidade visual, com alterações no nome e no símbolo da legenda. Para ele, os atuais símbolos, a foice e o martelo, são “do século 19”. O objetivo é passar uma imagem mais suave da ideologia comunista.

“Temos outras formas do trabalho que têm de estar representadas. Então é 1 processo em curso. Muito provavelmente haverá algum desfecho como outros países já fizeram no planeta, inclusive, no Brasil”, disse em entrevista.

Sem citar as atrocidades cometidas por regimes comunistas, Flávio Dino afirma que a palavra “comunista” deve ser retirada do nome da sigla por causa do preconceito que se tem quanto ao seu significado ideológico político-social.

“Infelizmente, por conta dos ecos das ditaduras, difundiram-se muitos preconceitos contra a palavra ‘comunista’. É uma coisa meio curosa, porque não há inclusive base etimológica. Comunista é comunhão, comum, comunidade. Então, a origem etimológica da palavra remete só a coisas boas: comunhão, partilha, comunidade”, afirmou.

Relacionados:  Ucrânia aprova lei que iguala o comunismo ao nazismo

“Mas, infelizmente, isso foi satanizado por certas atitudes ao longo da história, da ditadura militar e outras. E, infelizmente, atualizadas agora por esse extremismo. Então, temos que adotar uma tática que leve em conta a tática política, marcas etc., porém, sem alterar o conteúdo. Nós somos 1 partido de defesa do Brasil, que defende a nação, que tem 1 projeto nacional e que defende os mais pobres. Isso é o fundamental”, argumentou.

Questionado sobre sua ideologia política, Dino admitiu ser “comunista, graças a Deus”.