Ministro de Maduro fará visita oficial em apoio ao Irã

(160917) -- MARGARITA, Sept. 17, 2016 (Xinhua) -- Venezuela's President Nicolas Maduro (R) meets with Iran's President Hassan Rouhani during the 17th Non-Aligned Movement (NAM) Summit, in Margarita Island, Venezuela, on Sept. 16, 2016. (Xinhua/Presidencial Press/AVN) (rtg) (lrz)

O ministro venezuelano do ‘Poder Popular’ para os Negócios Estrangeiros, Jorge Arreaza, fará uma visita de três dias ao Irã na próxima semana. O anúncio foi feito nesta segunda, 13, pela agência oficial de notícias iraniana, e acontece após o ministério venezuelano ter emitido nota condenando o ataque norte-americano que resultou na morte de general Qasem Soleimani.

A visita será realizada entre os dias 19 e 21 e não teve agenda divulgada. A agência apenas ressalta que o ministro venezuelano deve realizar reuniões com altas autoridades no país.

A Agência oficial do Irã divulgou também na última semana, conteúdos de uma conversa telefônica entre o Ministro da Defesa venezuelano, Vladimir Padrino Lopez, e o Ministro de Defesa do Iraque, Amir Hatami. Segundo a agência, o ministro venezuelano se referiu ao Qasem Soleimani, general da Força Quds morto no ataque norte-americano, como um “um homem corajoso e nobre” com “um caráter digno de louvor”. Durante a chamada telefônica, Lopez também teria classificado a ação norte-americana como uma ato terrorista e reforçado que a Venezuela estará ao lado do Irã contra os EUA. “Vamos apoiar o Irã para combater a arrogância (global)”, afirmou Lopez.

Relacionados:  Maduro diz que incêndios na Amazônia são culpa de "Fascismo" de Bolsonaro

Na última quarta-feira, 8, o ministro Jorge Arreaza esteve na sede da Embaixada do Irã em Caracas para registrar condolências pela morte do General Suleimani e criticou os EUA.

“Hoje expressamos nossa solidariedade com o povo do Irã e seu governo. Reconhecemos a relevância do Major-General Qasem Soleimani, assassinado sem piedade pelas forças imperialistas para desencadear uma guerra (…) Votamos pela paz e pelo respeito ao Direito Internacional”

Fonte: Gazeta do Povo