Polícia Civil indicia 4 brigadistas ligados a ONG’s por incêndios criminosos no Pará

A Polícia Civil do Pará decidiu indiciar quatro brigadistas pelos incêndios na área de proteção ambiental em Alter do Chão, diz o Portal G1.

O delegado Waldir Cardoso responsabiliza Daniel Gutierrez Govino, João Victor Pereira Romano, Marcelo Aron Cwerner e Gustavo de Almeida Fernandes pelos incêndios. O aprendiz Ronnis Repolho Blair, conhecido como “Cebola”, que não a integra a brigada, também foi indiciado pelos crimes.

Segundo o delegado do caso, que assumiu o inquérito após determinação do governador do Pará, os indícios recolhidos na investigação “demonstram a participação ativa dos referidos Brigadistas nos eventos” e que havia “o interesse destes em disseminar registros fotográficos em âmbito nacional e internacional com a finalidade de promoção da tragédia e em benefício de auferirem vantagens financeiras através de vultosas doações em dinheiro, por parte de pessoas de boa fé de todo o globo.”

Relacionados:  Índios se reúnem com governo Bolsonaro para pedir "menos ONGs"

Segundo O G1, A Brigada de Alter do Chão é um dos projeto da Organização Não Governamental (ONG) Instituto Aquífero, do qual o brigadista Marcelo Cwerner é presidente

Os 5 indiciados vão responder por dano a unidades de conservação e áreas de proteção ambiental (pena de 1 a 5 anos de prisão), concurso de pessoas (que pode agravar a pena) e associação criminosa (1 a 3 anos de prisão).