Cubanos e venezuelanos podem estar por trás de ataques violentos no Chile, diz jornal

A Revista Crusoé aponta que grupos organizados de estrangeiros, principalmente de cubanos e venezuelanos, podem ter participado da destruição de estações do metrô no Chile.

A investigação tem apontado para uma ação de terror coordenada. As 25 estações de metrô incendiadas foram atacadas em um intervalo de apenas dez minutos.

A informação de que haveria envolvimento de cubanos e venezuelanos nos atos foi divulgada pelo jornal local La Tercera em reportagem publicada nesta segunda-feira (28).

Relacionados:  Ao lado de Bolsonaro, presidente do Chile detona PT: "Defendem ideias que fracassaram no mundo inteiro"

No momento, por meio de imagens das câmeras de segurança, as autoridades chilenas estão em busca de identificar os responsáveis pelos atos de vandalismo contra o metrô da capital de Santiago. Segundo informações dos bombeiros, os vândalos utilizaram produtos químicos — difíceis de serem encontrados no mercado — para acelerarem as chamas.