Polícia quer a quebra de sigilo de advogado do PT que teria recebido R$ 1,5 milhão do PCC

A Polícia Civil vai pedir a quebra dos sigilos bancário e fiscal do advogado do PT citado pelo PCC. As conversas de Décio Gouveia Luiz, o Décio Português, no aplicativo Whatsapp sugerem que Prado recebeu R$ 1,5 milhão da organização criminosa para entrar com uma ação no Supremo Tribunal Federal contra uma portaria de Sergio Moro

Décio Português se tornou o responsável pela contabilidade da organização criminosa após a prisão do líder Marcola. Seu celular foi apreendido no dia 16 de agosto deste ano, quando foi preso em uma casa luxuosa em Búzios, no Rio de Janeiro.

Relacionados:  Moro faz manobra genial para isolar Marcola e minar influência do PCC

Em uma série de mensagens, uma outra pessoa envia a ele detalhes do pagamento de R$ 3,2 milhões para advogados. Um milhão seria destinado a Carlos Nicodemos, para que o advogado movesse uma ação contra a portaria 157, de Sergio Moro, na Corte Interamericana de Direitos Humanos da OEA (Organização dos Estados Americanos).

Segundo as mensagens, Geraldo Prado receberia R$ 1,5 milhão para apresentar no STF, em nome do PT, uma Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) contra a mesma portaria. A ONG Instituto Anjos da Liberdade, do Rio de Janeiro, receberia R$ 700 mil pela mesma ADPF. A Polícia Civil também vai pedir à Justiça a quebra dos sigilos bancário e fiscal dos outros envolvidos.

Relacionados:  PT lança plano nacional com o objetivo de "reconstruir" o Brasil

Fonte: Yahoo