Bolsonaro defende excludente de ilicitude para policiais em pacote de Moro

Moro e Bolsonaro

Na cerimônia de lançamento da campanha publicitária pelo projeto Anticrime, Bolsonaro defendeu o excludente de ilicitude e afirmou que quantos mais atos de resistência um policial tiver é sinal que ele trabalha e que ele não morreu.

O excludente de ilicitude é uma previsão legal que diminui a pena imposta a policiais que – de forma resumida – matam bandidos. Bolsonaro contou que foi diversas vezes ao presídio da Polícia Militar, no Rio de Janeiro, e conheceu muitos policiais inocentes presos. “Conversando com eles, não mais o sentimento, mas a certeza de que lá tinha muito inocente. Tinha culpado? Tinha. Mas também tinha muito inocente”, afirmou.

Bolsonaro afirmou que a legislação atual prejudica a atuação do policial. “Pode de madrugada, na troca de tiro com um marginal, um policial dar mais de dois tiros, e ele ser condenado por excesso? Um absurdo isso daí”, disse.

Relacionados:  Homicídios no Brasil caem 22% em 8 meses de gestão de Moro

Também presente ao evento, o ministro Moro pediu apoio de deputados e senadores na aprovação do texto, que seria “uma mensagem clara para a sociedade de que os tempos do Brasil sem lei e sem justiça chegaram ao final”.

De acordo com o ministro, o propósito do atual governo é proteger as pessoas. Para isso, destacou, é preciso agir firmemente contra a “corrupção, o crime organizado e a criminalidade violenta”.

Com informações do Congresso em Foco