Janot confessa que entrou armado no STF disposto a matar Gilmar Mendes, mas ‘Deus lhe impediu’

O ex-procurador geral da República, Rodrigo Janot, que atualmente está escrevendo um livro para contar suas experiências no comando da PGR, em entrevista ao Estadão, afirmou que foi armado ao STF (Supremo Tribunal Federal) para matar o ministro Gilmar Mendes.

“Não ia ser ameaça não. Ia ser assassinato mesmo. Ia matar e depois me suicidar”, disse o ex-PGR.

Janot explica que pensou em tal atitude quando Gilmar espalhou uma história supostamente mentirosa envolvendo sua filha.

“Foi logo depois que eu apresentei a sessão (….) de suspeição dele no caso do Eike. Aí ele inventou uma história de que a minha filha advogava na parte penal para uma empresa da Lava Jato. Minha filha nunca advogou na área penal. E aí eu saí do sério”, afirmou.

Ele também disse ao Estadão que, quando foi ao STF armado, encontrou Gilmar Mendes na antessala do cafezinho.

“‘Ele estava sozinho’, disse. Mas foi a mão de Deus. Foi a mão de Deus’, repetiu o procurador ao justificar por que não concretizou a intenção. ‘Cheguei a entrar no Supremo (com essa intenção)’”, relatou. ‘Ele estava na sala, na entrada da sala de sessão. Eu vi, olhei, e aí veio uma ‘mão’ mesmo.’”