Heloísa Bolsonaro diz que irá processar Jornalista que se passou por cliente para obter informações

A psicóloga Heloísa Wolf Bolsonaro, casada com o deputado federal Eduardo Bolsonaro, afirmou através das redes sociais que vai entrar na justiça contra o jornalista que se passou por um cliente para escrever uma reportagem sobre ela publicada nesta 6ª feira na revista Época, diz o site Poder360.

A matéria da  Época carrega o título “O coaching on-line de Heloisa Bolsonaro: As lições que podem ajudar Eduardo a ser embaixador” e descreve sessões de orientação pessoal e profissional em curso oferecido por Heloísa. O jornalista narra a experiência de vivenciar 5 sessões de coach com Heloísa via webcam.

No texto, o jornalista revela em detalhes o que foi conversado em cada sessão. A psicóloga conversa com Saconi a respeito de questões da sua vida, pede que ele faça testes, faz perguntas, propõe exercícios e tarefas.

A matéria investigativa dedica especial atenção a menções de Heloisa a nomes próximos do universo político. As sessões têm como foco a vida do paciente/jornalista, mas, ocasionalmente, a psicóloga dá exemplos ou menciona algo do seu mundo: fala a respeito do seu casamento com Eduardo; elogia o presidente Jair Bolsonaro e a sogra, Rogéria Bolsonaro, a quem chama de “parceira de vida”; narra uma conversa com o presidente do BNDES a respeito da suposta “caixa-preta” da instituição e, a pedido do jornalista, recomenda canais de mídia.

“A escuta de Heloísa foi atenta, e há inúmeros detalhes verdadeiros sobre meu cotidiano que ela demonstrou ser capaz de recuperar conforme as sessões se acumularam”, diz a reportagem. Segundo o texto, a psicóloga mostrou-se “simpática, bem-humorada e disposta a longas conversas” e descreve Eduardo Bolsonaro como 1 case de sucesso: “Faço várias coisas: ‘Ó, agora tu vai fazer isso, depois vai fazer aquilo’. […] para fazer um bom trabalho para o país, o que ele tem de fazer, ele tem de cuidar de si”.

Fonte: Poder 360

Relacionados:  Ao lado de Eduardo Bolsonaro, Sergio Moro defende redução da maioridade penal para crimes gravíssimos