Janaina: “Não vejo o porquê de as conversas anularem nada da Lava Jato”

Janaina Paschoal foi bastante certeira ao comentar, em entrevista no Jornal da Manhã da Jovem Pan, o “carnaval” feito com as mensagens obtidas de modo criminoso e possivelmente adulteradas para atacar a Lava jato.

Disse ela:

“Lendo as mensagens, eu não vejo essa parcialidade do [Sergio] Moro, que pudesse comprometer a Lava Jato. Ontem, foi feito um carnaval por causa de uma palestra, e ele já demonstrou que deu a palestra, que o dinheiro foi doado. Quando se começa a fazer um carnaval em cima de pouco, perde-se credibilidade de quem está fazendo o carnaval. No mérito, não vejo o porquê de as conversas anularem nada da Lava Jato.

Do ponto de vista técnico, e não político, entendo que, se houve um crime de hackeamento, e mediante este crime, as mensagens foram alcançadas, elas precisam ser preservadas. Não estou falando em relação a fazer provas em outro processo, mas me parece que essas mensagens são o corpo de delito do próprio hackeamento. Quando alguém é assassinado, o corpo é o corpo de delito, você precisa periciar… Aqui temos um crime de quebra de sigilo, de interceptação não autorizada. Qual o corpo de delito? As próprias mensagens. Então, não me parece que elas possam ser destruídas, não neste primeiro momento. Têm que ser preservadas”.

Com informação dO Antagonista.