Ligações entre traficantes do Rio de Janeiro e grupo terrorista Hezbollah são denunciadas por Witzel

Uma ligação bastante inusitada, porém não surpreendente, acaba de surgir à tona.

A confirmação surgiu após a prisão de Elton Leonel Rumich, conhecido como Galant, apontado como chefe do Comando Vermelho e do PCC, que chegou a oferecer R$ 7 milhões para não ter objetos de posse apreendidos.

Após isso, conforme as investigações foram avançando, algumas coisas foram ficando mais claras. Recentemente, Wilson Witzel, governador do Rio, afirmou que o tráfico carioca tem ligações com o grupo terrorista libanês Hezbollah.

Relacionados:  ‘Se tiver terrorista no Brasil, vai ser entregue!’, diz Bolsonaro sobre colaboração com os EUA

“Há sim empresas, como não poderia deixar de ser, que estão lavando dinheiro do tráfico de drogas. E há indícios do relacionamento das facções com grupos terroristas, mas essa fase da investigação ainda está incipiente porque talvez precise de uma integração com a Polícia Federal. Provavelmente são grupos terroristas como o Hezbollah”, disse ele.

O delegado Fabrício Oliveira, que comanda a DESARME (Delegacia Especializada em Armas e Explosivos), solicitou ao COAF um relatório das pessoas que estiveram realizando transações financeiras com Galant, e a resposta do órgão foi uma surpreendente lista de 30 mil nomes, dentre eles terroristas investigados por lavagem de dinheiro para o tráfico na tríplice fronteira (Brasil, Paraguai e Argentina).

Relacionados:  Sem diálogo: Sergio Moro anuncia leilão de 612 imóveis apreendidos de traficantes

Com informação da Jovem Pan e do Renova Mídia.