Gilmar Mendes: “Temos de encerrar o ciclo de falsos heróis”

Gilmar Mendes, do STF, concedeu uma entrevista ao Estadão, e comentou sobre os acontecimentos recentes envolvendo a política e o meio jurídico brasileiro.

Quando questionado sobre Moro ser visto como um herói pelos brasileiros e se isso abriria uma margem para algum excesso, Gilmar respondeu: “Se eu fosse listar todos esses episódios, teríamos vários desses personagens que já não são mais lembrados, como o procurador Luiz Francisco, o delegado Protógenes (Queiroz), que a mídia em algum momento transformou em herói e, quando se revela a sua inconsistência, a mídia lhes dá um enterro silencioso. Se a mídia já tivesse feito um exame, talvez a gente não tivesse de conviver com esses falsos heróis da atualidade. Em geral, não têm vida longa. O cemitério está cheio desses falsos heróis”.

Relacionados:  Raquel Dodge critica decisão do STF de aceitar redução de pena para condenados por corrupção

Os entrevistadores perguntaram então, se Gilmar havia colocado Sergio Moro na sua lista de falsos heróis. Ele respondeu: “Eu não coloquei. O que eu acho é que faz parte do nosso processo civilizatório, nós temos de encerrar esse ciclo de ficar na busca de heróis. Eles são apresentados por vocês (mídia) como tal e eles passam a acreditar nisso. Depois, coitados, passam a ter um grande problema de depressão, obviamente antes de desaparecerem por completo”.

Com informação do Estadão