Em voto, Celso de Mello diz que matérias do Intercept não valem como provas

O fracasso da soltura de Lula fez o Brasil respirar aliviado nesta terça-feira, mas se engana quem acredita que aqueles que lutam pelo bem e pela liberdade de criminosos vão desistir de tentar libertar o símbolo máximo da corrupção no país.

Durante o julgamento, Celso de Mello disparou que as matérias produzidas pelo site esquerdista Intercept não valem como provas. Vale lembrar que além da forma como os diálogos atribuídos aos membros da Lava Jato, as mensagens em si não possuem nenhuma comprovação.

” O fumus boni iuris [fumaça do bom direito] está descaracterizado, quer pela existência de três títulos condenatórios, emanados no juízo de primeiro grau, do TRF-4 e do STJ; seja também especialmente quando se discute a questão da revelação de fatos e eventos por aquele portal The Intercept Brasil, pela própria inimputez daqueles fatos, em razão de seu conteúdo haver sido contestado pelo ex-juiz federal Moro, quanto à sua autenticidade, havendo ele afirmado correta ou incorretamente, não vem ao caso, que essa disclosure [divulgação] dos dados poderia ter sofrido edição ou até mesmo adulteração…”, afirmou Celso de Mello.

Com informação da Agência Caneta.