Ministro Barroso faz alerta ao próprio STF: “Não podemos destruir as instituições”

O ministro Luís Roberto Barroso mandou um recado ao próprio STF. O caso ao qual o ministro se referiu foi a possível derrubada da prisão em segunda que pode beneficiar diretamente Lula.

Para ele, caso o STF entenda que essa é a melhor opção, será iniciada uma “crise institucional”.

“Acho que nós precisamos ter isso em conta porque as instituições são os pilares da democracia. Portanto, não podemos destruir as instituições nem as instituições podem se autodestruir” disse ele.

E continuou: “Você pode, eventualmente, ser contramajoritário, mas se repetidamente o Supremo não consegue corresponder aos sentimentos da sociedade, vai viver problema de deslegitimação e uma crise institucional”.

De fato, ao que parece, Barroso já compreendeu em que Brasil nós vivemos, e não no Brasil que aceita a impunidade.

Com informação do Metrópoles.

4 Comentários em Ministro Barroso faz alerta ao próprio STF: “Não podemos destruir as instituições”

  1. CARO MINISTRO BARROSO, O ERRO ESTA NA CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA
    QUANDO SE AUTORGOU SUPER PODERES AOS MINISTROS DO STF, ESTES
    FORAM EQUIPARADOS A SEMI DEUSES CONTRA OS QUAIS NÃO TEM A QUEM
    APELAR, SÓ QUE A HISTÓRIA DA HUMANIDADE DIZ QUE QUANDO UM POVO
    CANSA DE SOFRER O SANGUE BANHARA AS PEDRAS DO CAMINHO, LEMBREM
    DA REVOLUÇÃO FRANCESA E DA REVOLUÇÃO BOLCHEVIQUE, ENTRE OUTRAS.

  2. O MINISTRO ESTA CORRETISSIMO, MAS MESMO ASSIM TEM CERTOS PARES DELE QUE MERECEM SAIR FORA DO STF OU VAO SER DEMITIDOS A BEM DO SERVIÇO PÚBLICO. CUIDADO COM A FOICE..

  3. Apesar de ser uma fonte secundaria do Direito, o Direito Consuetudinário (cultura e costumes) tem que ser levado em consideração no momento da exegese (interpretação do diploma legal) pois se o objetivo do STF é certificar-se de que a constituição seja cumprida por meio da interpretação do Legislador Originário, tem-se que este Legislador Originário é representante legítimo do próprio Povo, portanto, a interpretação da vontade do legislador tem por base o próprio Direito Consuetudinário (cultura e costume do povo), quem sabe até sendo alçado como Fonte Primaria!!

Deixe uma resposta