PSOL comemora Revolução Russa, que fez 20 milhões de mortos

A política brasileira é de fato uma coisa bastante engraçada (e trágica) sob certos aspectos.

Os partidos de esquerda, aqueles que mais reclamam da dita “opressão”, são os que mais celebram e festejam os regimes e eventos mais sangrentos da história do mundo.

Para se ter uma breve ideia do que significa a Revolução Russa e seus desdobramentos, que infelizmente ainda ecoam em terras tupiniquins, as estimativas confirmam cerca de 94 milhões de mortos, desde os 20 milhões iniciais da União Soviética, passando pelos 65 milhões na República Popular da China e chegando em 2 milhões na Coreia do Norte ou mesmo 1 milhão no Vietnã. Para mais, é possível ver O Livro Negro do Comunismo: Crimes, Terror, Repressão, que sob a edição de Stéphane Courtois, é uma obra anticomunista coletiva de professores e pesquisadores universitários europeus.

Diante disso tudo é simplesmente inaceitável ver um partido brasileiro venerando e festejando acontecimentos tão hediondos e que até hoje arrastam e ceifam vidas indefesas para os paredões comunistas. Os apoiadores de tamanha desgraça são os mesmo que apoiam os crimes ocorridos hoje em Cuba ou na Venezuela. São responsáveis pela fome que envolve e mata milhares de cidadãos destes “paraísos comunistas”.