Com o fim da ‘PEC da Bengala’ Bolsonaro poderia colocar quatro novos ministros no STF

Muito tem se falado sobre a dita ‘PEC da bengala’, alguns contra, outros a favor, e assim segue o assunto pautando o debate brasileiro em diversos momentos atuais.

Pois bem, a tal PEC foi aprovada em 2015, e foi sugerida por Pedro Simon do PMDB. A medida consiste no aumento de idade para os ministros que até então se aposentavam com 70 anos, e agora se largam a função com 75.

Caso a PEC fosse revogada, o presidente Jair Bolsonaro poderia indicar 4 ministros, ao invés dos dois já programados, que são Celso de Mello, que sairá em 2020, e no ano seguinte, Marco Aurélio de Mello. Além destes, seria possível substituir Rosa Weber e Ricardo Lewandowski.

A composição atual das indicações ao STF é a seguinte: José Sarney, Fernando Collor, Fernando Henrique Cardoso e Michel Temer indicaram 1 ministro cada um, que totaliza 4 ministros. Lula indicou 3 ministros e Dilma indicou 4.

4 Comentários em Com o fim da ‘PEC da Bengala’ Bolsonaro poderia colocar quatro novos ministros no STF

  1. A PEC da Bengala é um casuísmo político indecente. Imagine, por exemplo, se a Previdência só permitisse aposentadoria aos 80 anos de idade. Todos considerariam uma desumanidade. É o caso. Os ministros prorrogam sua aposentadoria,não por amor à Pátria, mas por amor ao dinheiro e à posição. Assim, é imperioso que se revogue essa PEC e a substitua para um sistema em que se some o tempo no STF aos demais empregos anteriores, para aposentadoria integral por tempo de serviço.

Deixe uma resposta para Antonio de Padua e Silva Cancelar resposta